Blog Post

happy african american couple talking on bed with baby boy in middle sleeping

Besame Mucho: a cama compartilhada faz mal ao bebê?

Se você quer um assunto polêmico para chamar de seu, basta mencionar “fazemos cama compartilhada com o bebê”. Pronto, já pode passar o letreiro porque o filme de terror vai passar. Todas as justificativas descabíveis são dadas de modo a julgar mães e pais que optam pela cama compartilhada. Se você ler e ouvir com atenção, pode facilmente concluir que o bebê irá dormir com eles pelo menos até os 21 anos, fora todo o risco que os pais estão causando para a criança.

Mas Carlos González já acabou com mitos acerca da cama compartilhada. Alô para você que é mãe e pai, estuda para sê-lo, as informações de Besame Mucho são baseadas em evidências.

Os perigos da cama compartilhada, em Besame Mucho

“Não existe nenhum estudo aleatório e controlado (ou seja, em que tenham recomendado a cama compartilhada a um grupo de grávidas e dormir separados a um outro grupo, e tenham estudado os efeitos a longo prazo). Todos os dados vêm, portanto, de estudos de menor qualidade.

A cama compartilhada não causa insônia. A explicação mais razoável para a associação entre problemas de sono e a cama compartilhada não é que a cama compartilhada produz problemas de sono, mas sim o contrário em uma sociedade na qual a cama compartilhada costuma ser mal vista, os pais recorrem a ela apenas quando outros métodos para fazer a criança dormir tenham falhado, ou seja, quando a criança é propensa a chorar ou acordar, ou demora para dormir.

A cama compartilhada não causa problemas psicológicos. O único estudo de coorte realizado sobre o tema encontrou que, aos 18 anos, os que tinham dormido com os pais não demonstravam nenhum efeito pernicioso: não tinham piores relações com os pais nem com outras pessoas, nem consumiam mais tabaco, álcool nem outras drogas e não era mais ativos sexualmente.

A cama compartilhada não causa morte súbita. Não se sabe qual é a causa da morte súbita, mas são conhecidos vários fatores que podem aumentar ou diminuir o risco. (…) As mais importantes: colocar os bebês para dormir sempre de barriga para cima (de barriga para baixo é o pior, mas de lado também há um certo risco), não fumar durante a gravidez nem nos primeiros meses (e passo esse período, seria uma boa ideia parar de fumar para sempre, o que beneficiaria tanto as crianças como os pais) e não deixar o bebê dormir sozinho no seu quarto (é melhor que o berço esteja no quarto dos pais, pelo menos nos primeiros seis meses).”

Por isso, durmam bem, famílias de cama compartilhada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas

Besame Mucho: a independência que os pais querem ver nos filhos

Em 7 de Setembro, como você já sabe, se celebra a Independência do Brasil.

Precisamos conversar sobre o choro do bebê

Em Presente para a Vida Toda, você lerá “Nós, adultos, também choramos, quando temos

Agosto Dourado, SMAM 2020 e uma reflexão de Carlos González

Primeiro de Agosto de 2020: começou o Agosto Dourado e a Semana Mundial de

Agosto Dourado e Semana Mundial do Aleitamento Materno 2020

Agosto é o mês da amamentação. São diversas as celebrações, encontros e comemorações em

10 frases: Um Presenta para a vida Toda
10 frases essenciais para a sua parentalidade do livro Um Presente para a Vida Toda

  Aqui na Editora Timo, ser pai e ser mãe é padecer na leitura mesmo.

Deu na capa do UOL hoje: cama compartilhada divide opiniões — e o pediatra Carlos González defende a prática!

Essa discussão é antiga já: é seguro o bebê dormir na cama com os

Presente para as novas Mamães

Aproveite a promoção deste mês de Maio! Dê de presente o Manual Prático de Aleitamento

Aleitamento materno: O choro do bebê

Quem leu o livro diz: “Ainda que já tenha passado pela parte “dura” da amamentação,

Aleitamento materno: Vitaminas para o lactente

Quem leu o livro diz: “É meu primeiro filho e tinha receio com relação a

Bésame mucho: Sumário

Para quem quer saber o que irá encontrar nesta obra, eis aqui o sumário

Aleitamento materno: frequência das mamadas

Quem leu o livro diz: “Hoje informação de qualidade com evidência científica atual é escassa

“Todos os castigos são inúteis”, diz o pediatra do contra, Carlos González

Segue entrevista do Dr. Carlos González ao Observador (Portugal) em 26/05/2014 com o intuito de

Leite materno é o melhor alimento para as crianças. Mesmo as que têm intolerância à lactose.

Há uma campanha na TV sobre mães recebendo latas do Leite Ninho Zero Lactose

“Bésame mucho” em Brasília!

Pessoal de Brasília já recebeu seu lote de livros “Bésame mucho”! Boa leitura, gente,

Prólogo: Manual Prático de Aleitamento Materno

Para inaugurar o espaço do timoBlog maneira vigorosa, publicamos o prólogo da edição brasileira